Home Curiosidades Hipertrofia e Definição Muscular

Hipertrofia e Definição Muscular

21
Compartilhe

Os avanços da medicina e a alta performance na boa forma

 

Por: Dr. Eduardo Nunes
Espaço Vitta Plus
Medicina – Performance – Estética

O nosso corpo é uma máquina super potente e o nosso bem estar e saúde e estão diretamente ligados ao bom funcionamento de cada uma das de trilhões de células existentes dentro de nós. Aquele corpo escultural, buscado junto às práticas esportivas, pode ser potencializado com os avanços da medicina esportiva.

A Hipertrofia, crescimento de massa muscular e a Definição Muscular, é o sonho de 10 entre 10 pessoas que se dedicam diariamente nas academias. Para potencializar e alcançar estes objetivos com mais perfeição, profissionais de medicina vêm desenvolvendo técnicas e trabalhos específicos para este fim, onde o resultado é sempre surpreendente.

O que é a Hipertrofia?

A fisiologia da hipertrofia e crescimento muscular é algo bem complexo e vem sendo motivo de estudos há vários anos. Esse processo pode ser dividido em 3 fases: ativação, proliferação e diferenciação.

Ativação: É onde se inicia o processo de hipertrofia muscular e é desencadeado por substâncias químicas, que são liberadas após os microtraumas musculares, causados pelo treinamento de hipertrofia(musculação). Essas substâncias químicas irão então ativar células-tronco presentes no tecido muscular e a transformarão em mioblastos(células musculares).

Proliferação: Onde ocorre uma multiplicação destas novas células musculares (mioblastos)

Diferenciação: Essas novas células chegam aos locais dos microtraumas causados pelo treino, se fundem às células já existentes e doam o seu núcleo celular para elas se tornarem então multinucleadas.

Essas células com mais de um núcleo(multinucleadas) possuem então uma maior capacidade de produção de proteínas. Estando com mais proteínas em seu interior, as células ficam maiores aumentando consequentemente o tamanho das fibras musculares.

Como visto, o processo de hipertrofia é algo bem complexo e envolve uma série de fatores. O médico esportivo tem que ajustar diversos pontos em favor da hipertrofia muscular, mantendo o paciente em alta performance e com saúde ao mesmo tempo. Vamos citar alguns destes fatores:

–  Ingesta protéica: para fins de hipertrofia muscular precisamos de uma dieta rica em proteínas  em valores que podem variar de 1,5g/kg até 5g/kg, é claro, dependendo da avaliação médica do paciente, tempo de treino, maturidade muscular, quantidade de massa magra entre vários outros fatores avaliados na consulta.

Muitas vezes alguns suplementos alimentares são utilizados como fonte de proteína, quando o total necessário de proteínas diárias não é atingido apenas pela dieta alimentar.

– Dieta Hipercalórica: Para ganho de massa muscular é necessário uma dieta com mais calorias que o seu metabolismo basal (quantidade de calorias necessárias para manter o funcionamento do corpo – em nossa clínica usamos o método Padrão Ouro para essa aferição que é a Calorimetria Indireta). A escolha certa dos alimentos usados nessa dieta hipercalórica é que vai determinar um maior ganho de massa magra ao invés de gordura.

– Ambiente Hormonal Favorável: Para que ocorra hipertrofia muscular é necessário que exista uma maior ação dos nossos hormônios anabólicos em relação aos catabólicos (aqueles que favorecem a perda muscular). Naturalmente os principais hormônios anabólicos naturais são a testosterona e o hormônio de crescimento. O principal hormônio catabólico do nosso corpo é o cortisol (liberação aumentada em casos de sedentarismo, stress, obesidade, poucas horas de sono ou sono de baixa qualidade).

Muitos pacientes possuem baixos níveis sanguíneos de testosterona e hormônio de crescimento (principalmente após os 35-40 anos) o que favorece a ação de hormônios catabólicos dificultando e muito o ganho de massa muscular. Uma modulação e otimização hormonal para os nossos hormônios anabólicos naturais ajuda a favorecer a hipertrofia muscular.

– Análise  nutrigenômica: Como cada indivíduo é único, para se obter um estudo mais profundo, é feito uma análise de DNA onde são identificados genes que regulam o nosso metabolismo. Nesse estudo são avaliados aproximadamente 20 genes que regulam o metabolismo de gorduras saturadas e insaturadas, carboidratos, álcool, cafeína, vitamina C, vitaminas do complexo B, vitamina D, lactose, glúten entre vários outros, ou seja, podemos saber se o paciente tem ou pode desenvolver um intolerância ao glúten ou lactose. Podemos verificar a necessidade de uma suplementação específica de vitaminas. Podemos direcionar a dieta com mais ou menos carboidratos conforme for o metabolismo dessa pessoa para carbos e o mesmo para gorduras.

Com o estudo e a análise destes fatores em mãos, é traçado um tratamento e acompanhamento médico, obviamente aliado a um treino adequado e acompanhado por profissional de educação física. A Medicina Esportiva irá amplificar e muito seus resultados, mas é necessário ainda mais dedicação e disciplina.

Com determinação e vontade, o tratamento é o mesmo e os resultados são bem próximos aos atletas de Fisiculturismo. A diferença será apenas o período próximo as competições, chamado Pré Contest, onde para os atletas de fisiculturismo são intensificados os esforços para um maior aumento da Definição Muscular, que nada mais é que eliminar ao máximo gordura e água do subcutâneo(camada entre a pele e o músculo) a fim de deixá-lo mais evidente.

Esse processo de Definição Muscular é feito em conjunto com o treinador (Bodybuilding Coach) do atleta e consiste basicamente em um processo de desidratação para eliminar ao máximo a água que fica entre a pele e o músculo. Além de um manejo dos carboidratos, diminuindo os mesmos e após próximo ao dia do campeonato aumentando novamente para ganho de volume muscular. Esse processo é bem complexo e individualizado para cada atleta em conjunto com seu treinador, pois a resposta de cada um a esses métodos é bem diferente.

Para isso restringimos o uso de sal, e são eliminados todos alimentos que possam causar retenção hídrica ou acúmulo de gordura. Em alguns casos se intensifica o treinamento aeróbico. Podendo se usar suplementos e/ou nutracêuticos termogênicos que aumentam o nosso metabolismo, o que pode facilitar a queima de gordura, suplementos que auxiliam em manter uma boa diurese para facilitar a eliminação de água. Também recorrer a alguns tratamentos estéticos como drenagem linfática, ultrassom para auxiliar na de líquidos e gordura respectivamente.

Lembrando sempre que toda a restrição alimentar e de nutrientes deve ser assistida e orientada por um profissional, pois nunca deve ultrapassar os limites do corpo. Saúde em primeiro lugar!

Deixe uma resposta