Por Rafael Casagrande

Desde o surgimento do treinamento funcional e o boom do CrossFit ao longo destes últimos anos, criou-se uma imagem de rivalidade em relação à tradicional Musculação, onde uma modalidade não complementa a outra, porém tudo isso está diretamente ligado ao ponto de vista de onde se é analisado.

O CrossFit, é um programa de treinamento funcional de alta intensidade, por ter uma variedade muito grande de movimentos, consegue potencializar as principais capacidades físicas do praticante como: resistência respiratória, cardiovascular, muscular, flexibilidade, força, coordenação motora, agilidade, equilíbrio e velocidade.

As aulas são periodizadas e duram em torno de uma hora, tendo diversas variações durante os treinos, tornando-os mais dinâmicos e menos repetitivos. Por ser um treino de alta intensidade, onde envolve cardio e força, favorece muito a queima de calorias e o fortalecimento de todo o corpo.

Por outro lado, a maioria dos movimentos utilizados nesta modalidade, trabalha simultaneamente grandes grupos musculares, ativando praticamente todo o corpo durante o treino. Ao contrário do que muitos pensam, nesta modalidade há sim hipertrofia e definição muscular, porém não é possível uma concentração em uma região específica e é justamente neste ponto em que CrossFit e Musculação podem sim andar em harmonia de mãos dadas.

Para o atleta ou entusiasta do “Cross”, que precise de um aumento de volume de massa muscular em uma determinada região, por estética ou qualquer que seja o motivo, a musculação, atuará como principal saída para este fim. Sejam glúteos, bíceps, quadríceps, enfim, por ter um trabalho direto no grupo muscular pretendido, o resultado é muito satisfatório neste caso.

No ponto de vista do praticante da musculação, o CrossFit pode somar mais qualidade aos exercícios em máquina, barra ou halteres através de mais resistência, capacidade respiratória e flexibilidade. Além de exercícios aeróbicos, que auxilia na diminuição do percentual de gordura, favorecendo a definição muscular.

Em casos extremos de treinamento como o Fisiculturismo, os treinos de CrossFit devem ser bem criteriosos, para que a alta intensidade não atrapalhe o desenvolvimento muscular através do catabolismo, que é degradação muscular para obter energia, quando não há nutrientes suficientes na corrente sanguínea, prejudicando completamente a hipertrofia.

Seja no CrossFit ou na Musculação, procure sempre a orientação de um profissional capacitado, para conseguir te esclarecer todas as dúvidas e ajudar a construir um corpo mais forte, em forma e o mais importante, mais saudável!

Rafael Casagrande
Box One Hard Cross
Coach Level 2 CrossFit
Educador Físico
Especialista em Fisiologia do Exercício

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here